Grid

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Bolachas de aveia, chocolate e manteiga de amendoim



Há muito, muito tempo que não fazia umas bolachas tão deliciosas. A combinação da aveia com a manteiga de amendoim e o chocolate é simplesmente fantástica!!! 



Ficaram umas bolachas gigantes pois usei uma colher de sopa para deitar a massa nos tabuleiros. Na próxima vez que as fizer, terei que usar uma colher de chá ou de sobremesa.



Acabei por fazer apenas meia-receita. Não gosto de ter destas coisas pecaminosas em quantidade industrial cá em casa. Afinal, acho que sou a única não-gulosa por estas bandas...


É claro que bolachas assim tão boas tinham que vir do livro da Dorie. E assim, fica mais uma participação no Dorie às Sextas... 


*****

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Carbonara de courgette



Não sou a maior fã de carbonara. Geralmente acho pesado mas, ao mesmo tempo, pouco substancial. Ou como uma quantidade exgerada (e fico mal-disposta) ou fico com fome. A adição de courgette pareceu-me por isso uma excelente ideia. Acabámos por comer uma carbonara mais saudável e ficámos saciados mais depressa.


Na próxima vez vou cortar a courgette mais fina para absorver melhor o sabor do bacon. Comido no dia seguinte fica ainda melhor, apesar de se perder alguma cremosidade.


Mais uma receita aprovadíssima do Jamie Oliver, e a minha última participação nesta quinzena do Quinze dias com...

*****

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Risotto de couve-flor com pangrattato de anchovas


Hoje trago um risotto que faz juz ao ditado primeiro estranha-se e depois entranha-se. Arroz, couve-flor, pão e anchovas não é uma combinação provável na minha cozinha. Mas resulta curiosamente bem, isto para quem gostar do sabor da couve-flor, que é bastante pronunciado. Não é definitivamente um prato para crianças (pelo menos para as minhas), mas eu e o André adorámo-lo pela originalidade. Tenho porém a confessar que só arrisquei fazê-lo por ser uma receita do Jamie Oliver, que geralmente não me deixa na mão.


A couve-flor não arruina a cremosidade que se quer num risotto (apesar de não estar evidente nas fotografias) e o toque do pão ralado frito com as anchovas eleva definitivamente o sabor do prato.  
   

Fiz esta receita em Outubro, uns dias antes de entrar em modo caótico, e o post lá foi ficando por fazer. Em fase de apanhar cacos e recuperar o tempo perdido, vou aproveitar o regresso do Jamie ao Quinze dias com... para fazer a publicação. Vale a pena experimentar!

*****

sábado, 23 de maio de 2015

Chili con carne, versão do JO



Se há prato consensual cá em casa é o chili. Faço-o frequentemente, congela na perfeição e não há narizes a torcer nem pratos cheios no final da refeição. 



É um chili um pouco adulterado porque não lhe ponho picante, mas sou generosa nos restantes condimentos. E faço-o sempre com feijão demolhado e cozido por mim. Ainda não trouxe o meu chili para o blogue, mas decidi experimentar o do Jamie Oliver, o convidado escolhido para abrir o segundo ano do Quinze dias com... 



O do Jamie é relativamente parecido com o meu, mas leva alguns ingredientes extra: grão, cenoura, aipo e canela. Leva também tomate em lata, mas eu prefiro usar o fantástico molho de tomate do André. E a receita pede feijão e grão em lata. Abri uma excepção à minha regra e usei em frasco. Confesso que não achei que a cenoura ficasse extraordinariamente bem, mas adorei o grão e achei que a canela e o aipo lhe deram um toque diferente e especial. 



Honestamente? Gosto mais do meu, mas ainda assim será uma receitinha a repetir...

*****

terça-feira, 12 de maio de 2015

Bolo de limão do Pierre Hermé



Para a mesa de aniversário do Quinze dias com... trago um bolo que ficou por fazer na quinzena do Pierre Hermé. Um bolo de limão com calda de limão que me chamou logo a atenção, mas que foi preterido pela minha primeiríssima experiência com macarons.


Um bolo saboroso, que fica perfeito com a acidez da calda. Fiz meia receita de bolo e uma de calda e acho que aguentava bem duas de calda, para ficar ainda mais ensopado.


Um bolo excelente!

*****

sábado, 9 de maio de 2015

Blondie brownies de chocolate branco e framboesa



Que a Dorie Greenspan é uma doceira brilhante, todos nós sabemos. Que ela tem de vez em quando umas... humm... teorias estranhas, também dá para perceber. Mas chamar brownies a este bolinho de chocolate branco, já me parece um pouco exagerado...

 

Blondies até pode ser, por isso chamei-lhes blondie brownies, que me parece bem mais adequado.




Na receita original, há uma cobertura de merengue. Eu cá tive preguiça (e achei excessiva), então deixei-os assim, simples.


Resultado? Uma massa fantástica, húmida e ligeiramente elástica. Uma massa pefeita para uma torta recheada com uma compota ácida, que aliás farei em breve. O sabor é muito bom e os meus ficaram particularmente saborosos porque as amêndoas não chegaram e tive que acrescentar pistácios salgados, o que ligou na perfeição. Cortei no açúcar porque acho o chocolate branco demasiado doce, mas o que é certo é que a acidez das framboesas funciona muito bem para equilibrar os sabores.


Mais uma participação no Dorie às Sextas, que desapareceu literalmente a voar.


*****

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Quiche de cogumelos, presunto e orégãos, a nossa favorita





A menos de vinte e quatro horas de regressar a casa, abraçar os meus três amores e de acabar o mês mais cansativo de 2015, escrevo este post. Falhei ao último desafio do Dia um... na cozinha, e desta vez queria participar. Não que a minha receita (aliás, receita do André) seja extraordinariamente inovadora, mas leva um simples ingrediente que a transforma na nossa favorita.





As quiches têm a característica de ser super-rápidas e super-fáceis. Costumava fazê-la com massa de compra, mas desde que descobri a receita de massa-quebrada do Gordon Ramsey, prometi que não voltaria a comprar um pacote da dita (já prevariquei uma ou duas vezes, mas enfim...). Assim, fiz a massa em dez minutos num serão, ficou a repousar durante a noite, foi estendida em menos de cinco minutos e com mais cinco minutos para fazer o recheio, estava pronta para ir para o forno. Habitualmente fazêmo-la com fiambre fumado, mas uma falha de comunicação na lista de supermercado levou a que fosse feita com presunto... e com um resultado igualmente delicioso. 


E aqui fica assim a nossa quiche favorita, neste post relâmpago... ah, o ingrediente maravilha? Os orégãos, claro está!


*****

domingo, 26 de abril de 2015

Queques de ricotta, tomate seco e manjericão


O mês mais complicado deste ano está a acabar!!! Nem sei como tenho sobrevivido a tantas reuniões, viagens de avião, apresentações, jet lag, camas estranhas (e pior, almofadas moles!!!)... mas acho que estava a precisar desta adrenalina, já me sinto menos deprimida e apática. Confesso que estava a ver o caso mal parado...


Aqui em São Paulo tenho, pelo menos, dormido muito bem. A cama é super confortável, o quarto é relativamente silencioso e descobri uns audios de meditação que me têm ajudado a relaxar e a adormecer. Com a diferença horária acordo bem cedo, mas sinto que já dormi o que precisava e acabo por poder ficar um pouco na cama e levantar-me com calma, que é um luxo que raramente tenho.


Nos dias que estive em casa entre a viagem a Londres a e viagem a São Paulo, consegui ainda fazer uns queques da Mafalda Pinto Leite para o Quinze dias com... Não consegui participar na edição do Gennaro Contaldo, com grande pena minha, e parece mal faltar às publicações no meu próprio grupo...


Estes queques são óptimos. Têm pouca farinha, o ricotta é relativamente saudável (na próxima vez experimento com requeijão), sabem bastante a manjericão, que eu adoro, e o tomate seco fica a matar. Fazem-se em dez minutos, excluindo o tempo que ficam no forno, e são óptimos para levar para o trabalho com uma salada. Fiz metade da receita e mantive a quantidade de tomate e de manjericão da receita original para ficarem com um sabor mais forte. Em baixo segue a receita como a fiz, mas fica o link para a original. Aprovados!


*****

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Bolo de coco e maçã e o permanente desassossego de ser mãe



Sozinha e a oito mil quilómetros de casa, mal me aguento com saudades. Ando esgotada com o dia-a-dia, cansada da rotina, mas o que é certo é que estou longe há pouco mais de um dia e só me apetece voltar. 


Não nego que é bom poder ter tempo para me dedicar apenas a mim e ao meu trabalho, estar descontraída por não ter que passar o dia a correr para poder conciliar tudo, exceder-me no emprego, ser uma mãe presente, organizar a casa, tratar das refeições. É bom ter uma manhã calma para variar (um fuso-horário de menos quatro horas ajuda...), um pequeno-almoço tranquilo, um duche mais demorado, ler um pouco e ganhar energia para um dia de trabalho. Escrever este post sem pressas. 


Mas depois penso neles e o meu coração fica pequenino, pequenino, e só me apetece rumar ao aeroporto, atravessar o Atlântico e tê-los nos meus braços. Partilhar risos, ouvir lamentos, consolar lágrimas, fazer aquelas brincadeiras tão nossas: tendas debaixo dos lençóis, caretas ao espelho, peças de teatro, filmes no banho, banhos de espuma, spas caseiros, passagens de modelos... Acho que isto é realmente ser mãe, um desassossego permanente que nos assola, que se agarra a nós como uma segunda pele e que nos marca para sempre. 


O bolo? É a receita da quinzena do Dorie às Sextas. Fantástico, fácil e absolutamente delicioso. Fi-lo sem a geleia de maçã porque pareceu-me perfeito assim mesmo: simples.

*****

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Torres de abacate e salmão fumado



Mesmo no último dia da quinzena da Annabel Langbein (onde anda a Susana que nunca deixava nada para a última hora?), trago a segunda receitinha que consegui fazer durante esta semana.


Uma receita excelente para o verão. O abacate compensa o sabor forte do salmão fumado e o limão e o pepino dão-lhe uma frescura fantástica. A única coisa que dá trabalho é cortar o pepino em cubos fininhos, mas quando repetir vou picá-lo na picadora da varinha.


Eu e o André adorámos!


*****

Pin it

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...